Roteiro de 3 dias, pela minha Beira Baixa



Eu sei, eu consegui ler-te os pensamentos e esses pés já andam tão inquietos que estão loucos para vir até aqui, ao meu canto, ao meu berço, à minha Beira Baixa. Right?


E como sei que a Beira Baixa tem milhares de locais para visitar e conhecer, decidi mostrar-te o Roteiro que fiz com a BeiraBaixa.pt a convite da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, e que tem de tudo um pouco. História, natureza, pessoas, contrabando, arte, comida, bebida (ou não estaríamos a falar na Beira Baixa...) e locais de sonho para pernoitar.


Ansiosos?

Eu também, mas é para te ter por cá! :)



Dia 1 - Chegada à cidade de Castelo Branco

Castelo Branco merece a visita de qualquer viajante pela sua diversidade de ofertas a nível turístico. Aqui temos cultura, ruas históricas, pessoas que sorriem, museus, arte urbana, lagos, lagoas, jardins e muitas surpresas para quem não conhece.


Mas, vamos por partes, há tempo para desfrutares de tudo! :)


O que ver em Castelo Branco?


1 - O Castelo


O Castelo é o ponto mais icónico, o ponto mais alto, e o local com as melhores vistas dentro da cidade de Castelo Branco. É possível observar toda a cidade daqui. E é aqui que tens de descobrir a história e a razão desta cidade se chamar "Castelo Branco".


2 - Miradouro de S. Gens



3 - Rota dos Portados Quinhentistas



4 - Centro de interpretação do Bordado de Castelo Branco


5 - Museu Francisco Tavares Proença Júnior



6 - Museu Cargaleiro



7 - Jardim do Pasco Episcopal



8 - Torre do Relógio



9 - Ruas do Castelo e arte urbana



10 - Casa do Arco do Bispo


11- Parque da Cidade e Cruzeiro de S.João


E acredita, se fores a todos estes locais, vais estar cheio de fome no final do dia... Por isso, nada melhor que ires saborear as comidas caseiras do restaurante Cabra Preta! Comida deliciosa, caseira e um espaço requintado só pode dar bom resultado! Confia em mim.



Cidade percorrida, barrigudinha cheia, estás a pensar no mesmo? Onde vais descansar para amanhã ser ainda melhor o teu dia?


Precisamente no Hotel Rainha D.Amélia, Arts & Leisure, bem no centro da cidade e com o conforto todo que necessitas.



Dia 2 - A Rota do Contrabando


Are you ready para a melhor parte do roteiro?

Hoje mete história, trilhos, contrabando, comida, barco, arte rupestre, e muito mais... Vamos entrar no coração da Beira Baixa?


Pés inquietos no chão, que o próximo destino é Perais, em Vila Velha de Rodão.



Aqui voltámos ao passado embeiçados com as histórias dos contrabandistas, aventuras contadas na 1ª pessoa, que tu também vais poder ouvir, basta ires ao largo principal e falar com os habitantes. Conversa atrás de converse vais dar por ti a imaginar-te dentro de uma das suas histórias!


Mas o que era o Contrabando? E qual a sua importância para o desenvolvimento e relacionamento entre as comunidades Portuguesas e Espanholas?


Vais descobrir no Núcleo Museológico "O Contrabando" em Perais. Se eu te revelar tudo, perde a piada! :)




Depois de absorveres tudo, vais mesmo reencarnar o Contrabandista! Vamos a um trilho?



PR5VVR – Caminho da Telhada

Clica aqui e sabe tudo sobre este trilho.




Não precisas de fazer o trilho todo, há uma surpresa da qual tu também podes usufruir! A meio do percurso e já na descida para o rio, é possível contratares um passeio de barco que te vai levar a conhecer as espécies de aves que habitam as margens do rio, e... as figuras rupestres! Ainda no seu estado puro, e selvagem. Não vou revelar a localização das mesmas para que possam permanecer conservadas e intactas. Para as veres terás mesmo de ir com quem conhece, e quem as preserva.


Basta clicares aqui e consegues reservar este passeio, que é sem dúvida indispensável. Ora vê lá.



Fantástico não? Ficas já a saber que toda a margem do Rio até Espanha está repleta de figuras rupestres mas não sejas um "pequeno Moggly" e não partas à descoberta sozinho, são muito difíceis de encontrar... :)


Barriguinha a dar horas? Jamais poderias sair daqui sem comer a famosa sopa de peixe! E para tal, vais diretamente para aqui: Herdade da Urgueira.



E prepara-te para comer a melhor Sopa de Peixe da tua vida! Eu estou a escrever, já jantei, mas estou a salivar... De vez em quando tenho de lá ir picar o ponto e saciar a minha vontade desta sopa, mesmo estando a 30 km de mim, não aguento a pressão que a Gula me dá.



Usufrui da Herdade enquanto fazes a digestão, e depois mete pés ao caminho para o próximo destino.


Praia Fluvial da Couca, ou Cerejeira.



Aqui, aproveita para apanhar sol e conhecer esta praia fluvial bem pitoresca, com areia e água "morna" comparativamente com as águas da Beira Baixa.

Se preferires vai diretamente para o local onde vais dormir, tens lá uma piscina e a Adega do Xico.


Onde vais dormir? Neste pequeno tesouro. Uma autêntica casinha de bonecas!



O Refúgio do Raposo!




Já arrumaste as malas? Vamos comer?


Vai até ao Hotel Rural da Catraia e desfruta (mais uma vez) da comida caseira, e (aposto que nunca tiveste esta experiência gastronómica), mas faz uma degustação de azeites! É top.



Quando terminares regressa ao Refúgio do Raposo para descansar e, estás proibido de sair de lá sem provar a "Caipirinha da Beira". Pede uma destas ao Raposo e diz que vais da minha parte! :)



Dia 3 - Absorver Natureza


Acorda cedo, hoje e dia de conheceres a história e a Natureza na íntegra, e claro, uma uma aldeia de Xisto bem querida!


O próximo destino é o Museu Isilda Martins.



Não é amoroso? Esta visita faz-se em 30 minutos.


Mas, é agora que vais divertir-te imenso, e as crianças? Vão-se passar!

Bem vindos ao Centro da Ciência Viva e Floresta em Proença-a-Nova.



O local / Museu, mais interativo onde já alguma vez estive. Não imaginas o quanto me diverti a mexer em tudo! Não houve nenhum local e nenhum jogo que eu não fosse fazer. Ehehehe.



E sim, até na "camioneta" dos Bombeiros entrei e toquei a sirene. Que é, manual!



Em imagens é sempre difícil demonstrar o que é na realidade, por isso, mais uma vez, confia em mim. Vais adorar, independentemente da tua idade.


E agora?

O que falta no roteiro?



Isso mesmo! Faltava aqui uma aldeia de Xisto para terminar em pleno o teu roteiro. Vamos até Figueira?




Aqui, ainda se conservam as ruas pequenas que eram utilizadas na aldeia antigamente. E ainda se utilizam os portões que barravam a entrada dos lobos e ladrões na aldeia, para proteger as mulheres e crianças enquanto os homens saiam para o campo. E aqui, ainda se utiliza o forno de lenha comunitário, onde é confeccionada alguma da comida do único restaurante que lá existe, a Casa Ti Augusta.