Welcome to - Vila Nova da Barquinha


"Welcome to", foi exatamente assim que fui recebida pelo Filipe.

Mas o que é o "Welcome to" e quem é o Filipe????


O Filipe é um rapaz que tem tanto de simpático como de dinâmico e empreendedor. Decidiu dar vida ao turismo de Vila Nova da Barquinha e toda aquela zona em redor e criou a sua empresa: Welcome to!

Como descobrimos o Filipe?


Fácil! Pergunta pelo guia mais fixe daquela zona que toda a gente te vai dizer onde está o Filipe! ;)

Este é o Filipe, aquele é o pai do Filipe (o nosso Capitan Paulo) e aquela loirinha do meio é uma inquieta que diz que gosta de descobrir coisas novas! :P


Por isso, que comece a nossa aventura por terras templárias!


Chegámos a Vila Nova da Barquinha e fomos ter com o Filipe ao edifício do posto de turismo de Vila Nova da Barquinha, mais precisamente aqui.


Depois de algumas curiosidades, de contar a história da sua empresa e de me conseguir surpreender lá fomos nós conhecer um pouco de Vila Nova da Barquinha.

Começámos pelo Parque de Escultura Contemporânea de Almourol.

E tal como o nome indica é um parque com várias esculturas de artistas contemporâneos. Mais precisamente (ups) não as contei. Ahahahahaha.


Mas anotei que tem mais de 700 árvores e é enormeeeeee!


Com o calor que estava só me apetecia esticar ali a mantinha de trapos do meu travel kit car e dormir uma bela sesta a ouvir.... nada! A ouvir silêncio. Sabem o que é? Há muito tempo que não sei o que isto é. Mas está-me a fazer falta.

Tenho de lá voltar e deitar-me naquele relvado fresquinho e silencioso. E vocês também! ;)






Ahhhhhhh! Outra curiosidade:

A água que dá a volta ao parque pelas inúmeras cascatas e cascatinhas vem do rio, e no final é devolvida novamente ao rio.



Ahhhhh! E outra curiosidade:

Estão a ver aquelas estacas espetadas no rio? Sabem para que serve?



Antigamente (muuuuuito antigamente) aqui existia um porto que permitia fazer-se as trocas comerciais e trocar o gelo da Serra da Estrela pelo Sal que conservava as carnes. E como os barcos não eram como os barcos de hoje em dia. Os comerciantes tinham de utilizar o transporte ao laço dos seus barcos.


Por isso, estas estacas serviam para os ajudar a subir o rio contra a corrente fazendo laços e passando os laços de estaca em estaca.


(Adorei esta curiosidade! Sou filha de marinheiro ok?!)


Continuámos a nossa descoberta mas desta vez fomos remar para outros lados.


Fomos até Tancos para apanhar o barco do Tritejo.



E lá estava o Tritejo e o Sr. Paulo, o nosso Capitan.


Os meus olhos sorriram quando viram o barco!!! Eu adoro barcos, e água, e azuuuuuuul. Mas sabem o que adoro mais?

O facto de o barco Tritejo ser amigo do ambiente. Porque eu venero animais! E saber que este barco movido a energia solar não polui o ambiente nem o habitat dos animais deixou-me tãooooo Feliz! :)


E lá fomos nós, em direção... já vais descobrir!

Pistas:

Barco

Templários

História

Está certooooooooooo!

Castelo de Almourol

Clica aqui, e segue viagem.

Arquivo

EMBAIXADORA:

Captura de ecrã 2020-05-26, às 18.28.33.
Captura de ecrã 2020-04-27, às 16.37.25.
Captura de ecrã 2020-05-26, às 18.20.18.

Blog mais votado pelo público

Blog Membro e Fundador

Copyright © 2020 Nunca Paras Quieta. All Rights Reserved